sábado, 5 de abril de 2014

Um “doce” canalha - Parte I - "Uma" canalha é pior que "um" canalha? - Começo displicentemente

Tudo começou com um olhar para aquela região muito apreciada pelos homens, o bumbum. Ah! Quem olhou foi ela para o redondo bumbum dele. Depois de algumas palavras trocadas em reuniões de trabalho e sociais, um dia ela o convida para um café.
Na verdade muito se falava dele, alguns o colocavam como alguém com conhecimento, com influência política outros diziam que era um “semi-analfabeto”. Quem tinha razão? É o que vamos descobrir nos próximos capítulos.
Depois desse café e de alguns outros, os dois começaram a manter contato constante, semanas de conversas, reuniões políticas e alguns encontros inesperados. Até que um dia, logo após uma longa conversa, que antecedia uma viagem, ele rouba-lhe um beijo. Só um beijo e um boa noite.
No dia seguinte, a viagem. Conversas sobre projetos, trabalho e nada se falou sobre aquele beijo roubado. Já tarde da noite, estavam retornando quando ela disse que daria seu reino por um banho, ele nem pestanejou e logo propôs pararem num Hotel e tomarem um banho.  A proposta era descansar por algumas horas e depois seguir viagem. Ela relutou um pouco, mas, foi convencida por ele, sem muita dificuldade.
Quando estavam próximos do Hotel o telefone dele tocou, o som muito alto, permitiu que ela ouvisse a conversa. Do outro lado, uma mulher cobrando explicações, falando que ele deveria dar um desculpa em casa para passarem a noite juntos num motel. Ele disse que adoraria, mas não estava sozinho na viagem e que ela sabia disso.
Silêncio total, até que depois de se perguntar o que estava fazendo indo para um hotel com aquele “canalha”, ela decidiu que podia aproveitar aquela noite para tomar um vinho, rir um pouco e que se algo mais acontecesse, ficaria ali e pronto.
Foram para o hotel, ela tomou seu banho, saiu vestida para seguirem viagem, ele fez o mesmo. Encostaram cada um de um lado da cama, para descansarem, antes de pegarem a estrada novamente. Ele foi se aproximando, falou do perfume que ela usava, da pele macia, do beijo da noite anterior e novamente, roube-lhe um beijo.

Entre um beijo e outro, algumas horas de prazer. Depois descansaram e seguiram viagem, tudo como planejado. Pra ela tudo tinha começado no beijo roubado na noite anterior e terminado naquele quarto de hotel. Pra ele tudo começava naquele quarto de hotel...

A cada novo capítulo uma nova emoção... Aguardem o próximo capitulo...